As 6 Etapas da Gestão de Mudanças

Opportunity, rise and improvement conceptTalvez você já tenha passado pela experiência de querer ajudar alguém com algum problema e ter percebido que essa pessoa precisava de uma mudança em seu comportamento. Pode ser difícil atuar em casos assim, quando não se sabe a melhor abordagem ou quando o indivíduo não tem interesse na mudança.

Pode ser seu filho, seu parceiro, um funcionário ou um aluno, por exemplo. O fato é que não podemos moldar essas pessoas de acordo com nossas vontades. Em alguns casos, porém, a necessidade de modificações é gritante, ao ponto de a pessoa enxergar que precisa mudar, mas não ter forças suficientes, ou ainda ter um comportamento auto prejudicial e nem sequer perceber.

Quando a Mudança Se Faz Necessária

Antes de tudo, deve ficar claro que gerir uma mudança é um processo que deve ocorrer sob criteriosa análise. Uma pessoa não é obrigada a mudar apenas porque pensa diferente de você, então cuide para que as mudanças que tenta provocar nos outros sejam realmente válidas.

Geralmente a necessidade por mudanças fica evidente quando o indivíduo tem comportamentos destrutivos, como utilizar agressões físicas e verbais em discussões, descumprir leis, vícios, posturas antiéticas e aspectos em geral que dificultem sua convivência com os outros e seu crescimento.

A Dinâmica da Mudança

A mudança é um processo e, portanto, funciona em etapas. Vejamos como ocorre essa evolução conforme estudo desenvolvido pelos terapeutas Prochaska e Di Clemente (1982):

  1. Pré contemplação: Aqui o indivíduo não enxerga a necessidade de mudança ou não quer mudar. O primeiro passo é ajuda-lo a perceber que precisa da alteração. Você deve fazer isso expondo para ele as consequências dos atos que ele vem adotando.
  2. Contemplação: Nessa etapa o indivíduo já está convencido de que precisa da mudança, no entanto não sabe exatamente o que precisa fazer. Aqui entra a importância do exemplo e da orientação. Ajude-o a encontrar qual o melhor comportamento a ser adotado.
  3. Determinação: A determinação é uma etapa em que o indivíduo já sabe o que mudar e como mudar. O papel de quem acompanha o processo é ajudá-lo a se planejar e caminhar para a ação.
  4. Ação: Nesse ponto o indivíduo implementa e assimila a mudança. É uma etapa crítica, pois será sentido o impacto das alterações e um fracasso pode fazê-lo retornar à postura anterior. Você deve incentivá-lo e reconhecer os avanços observados.
  5. Manutenção: Aqui deve ser dada continuidade ao comportamento virtuoso adotado. O indivíduo deve ser encorajado para que mantenha a confiança e evite recaídas. É essencial identificar e evitar situações de risco, que poderiam facilitar um retorno ao comportamento anterior.
  6. Recaída: Infelizmente nem sempre a mudança ocorre na primeira tentativa. Muitas vezes o indivíduo volta ao comportamento nocivo antes de alcançar o sucesso. O importante é que, se acontecer, ele tenha quem acredite nele e o ajude a ver as coisas de forma mais consciente.

mudanças

É claro que nem sempre o processo ocorrerá de maneira tão linear. Pode ser que o indivíduo tenha de retornar em etapas anteriores até ser capaz de alcançar a manutenção de maneira consistente.

Note que cada etapa tem sua devida importância e não pode ser negligenciada. Atenha-se ao modelo para saber qual a melhor atitude a ser adotada em cada nova situação.

Lembre-se a todo momento que está lidando com um ser humano. Por mais que a mudança lhe seja benéfica, ela provocará um desequilíbrio que sempre carrega o peso do desconhecido.

Leave a Reply